Um Giro de surpresas e estratégia, parabéns Carapaz!

 

Ontem terminou o Giro d’Itália 2019, uma grande edição que ficou para a história. Com certeza, a vitória de Richard Carapaz (Movistar) foi uma surpresa, mas uma ótima surpresa. Carapaz foi a revelação do Giro 2018 e confirmou seu talento em 2019, trazendo mais um grande título ao ciclismo sul-americano.

 

Dentre as estrelas, alguns momentos decidiram a prova, como a queda de Tom Dumoulin e a falta de gregários de Primoz Roglic, que afetaram seu desempenho nas montanhas. De todo modo, Carapaz foi brilhante na grande volta italiana, tendo Mikel Landa como companheiro e leal nos momento de dificuldade, a estratégia da Movistar foi impecável em todos os momentos, sem haver sequer um erro em três semanas de alta competição. Algo impressionante!

 

A fraca Jumbo-Visma custou o título a Roglic

 

Apontado por muitos como o principal favorito dessa edição, Primoz Roglic (Jumbo-Visma) viu seu favoritismo se esvair ainda antes do Giro, com a baixa de seu principal gregário nas montanhas: Robert Gesink, que fraturou a clavícula na Liège-Bastogne-Liège. Todas as fichas de Roglic foram então depositadas em Laurens De Plus, que também abandonou o Giro na primeira semana em decorrência de uma gripe.

 

Com isso, Roglic teve de se virar com uma equipe jovem e desfalcada, que fez de tudo para que seu líder estivesse em condições de disputar a briga nas montanhas, mas não foi o bastante.

 

O poder de fogo da Movistar incendiou o Giro!

 

A dupla Landa-Carapaz andou muito! A começar pela primeira etapa de montanha, na qual Landa andou quase 30km escapado e pegando os ciclistas da fuga um a um, subindo a montanha de 8.5% no volantão, algo surreal. Carapaz deixou para atacar o grupo de favoritos a 5km do final e quase pegou Landa. Ali começou a se construir o poder da Movistar.

 

Por mais que as outras equipes se esforçavam, quando chegavam nas montanhas, a força da Movistar aumentava, com Antonio Predrero e Carretero, além de um forte Jasha Satterlin no plano, foram a grande atuação de JJ Rojas e cia.

 

Podemos dizer que Predrero e Carretero foram os gregários mais importantes da Movistar neste Giro, e talvez as maiores revelações da volta. Os dois mostraram um show do ciclismo espanhol, uma demonstração de talento e lealdade que culminou com o título de Carapaz.

 

A decolagem de Ackermann

 

Este Giro ainda foi a revelação de um novo velocista alemão. Com a saída de Marcel Kittel de cena, com o final da carreira se aproximando de André Greipel, os alemães aguardavam um substituto à altura de Erik Zabel, e parece que encontraram um grande nome: Pascal Ackermann (Bora-Hansgrohe) venceu a camisa “Ciclamino” deste Giro, que é o título de melhor sprinter e brigou até o último instante com Arnaude Demáre (FDJ).

 

O título de Ackermann ainda foi um brinde à resistência e à resiliência dos sprinters em jogo, pois eles tiveram que cruzar montanhas monstruosas em busca deste título, haja vista que esse foi um Giro bastante dual: dividido friamente entre etapas planas nos primeiros 10 dias e depois repleto de montanhas nos dias restantes. Muitos velocistas abandonaram.

Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo