Recentemente em Copacabana, RJ, um acidente em que várias pessoas foram feridas e um bebê morreu após serem atingidas por um veículo chamou muita atenção. O carro subiu o calçadão e a ciclovia, que estavam lotados no momento do atropelamento. Este acontecimento foi muito comentado, não só pela gravidade, mas porque o motorista informou que perdeu o controle após ter tido uma crise convulsiva, pois é epiléptico. Isso levantou a discussão se um paciente epiléptico pode dirigir. No Brasil, a legislação permite desde que a pessoa esteja com as crises controladas, sendo necessário um relato médico informando isso. Em outros países, essa situação não é permitida.

 

Mas qual é a relação da epilepsia com bicicleta? Este texto é para chamar a atenção para algo importante, que todos nós deveríamos saber.

 

A epilepsia é uma doença complexa, com múltiplas causas e diversos tipos. O tipo mais conhecido da doença é o caso em que ocorrem as convulsões. Durante uma convulsão o paciente perde a consciência e o controle sobre os músculos. Isso deve ter acontecido no caso do atropelamento em massa em Copacabana. Porém, geralmente os ataques epilépticos não são do tipo convulsão, mas sim mais leves, e o paciente não chega a perder a consciência durante o ataque.

Quem tem epilepsia pode pedalar. Os motivos são vários: andar de bicicleta melhora o nosso condicionamento físico e reduz o estresse, é prazeroso e ajuda na interação social. Esses fatores contribuem para o controle das crises. Além disso, o ato de pedalar provoca uma estimulação no nosso cérebro que pode inibir o surgimento das crises. Assim, ter uma crise andando de bicicleta é muito pouco provável.

 

“O ATO DE PEDALAR PROVOCA UMA ESTIMULAÇÃO NO NOSSO CÉREBRO QUE PODE INIBIR O SURGIMENTO DAS CRISES. ASSIM, TER UMA CRISE ANDANDO DE BICICLETA É MUITO POUCO PROVÁVEL.”

 

Tendo em mente todos esses benefícios, é importante estimular os pacientes epilépticos a pedalar, e para isso três coisas devem ser levadas em conta:

 

1. Esclarecer para o paciente os benefícios de andar de bicicleta, e que eles também podem desfrutar destes

 

2. Não ter preconceitos com pessoas que lidam com essa doença, mas sim envolve-las em atividades, como convidar para um pedal de fim de semana.

 

3. Melhorar as vias para o uso de bicicletas, com mais ciclovias e educação no trânsito, para que possa haver um compartilhamento seguro das vias.

 

O Dia Internacional da Epilepsia é 12 de fevereiro, e 26 de março é o Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia. Este último é conhecido como “Purple Day”, ou Dia Roxo. Este dia foi criado por uma criança canadense, Cassidy Mega, em 2008, e hoje é comemorado em todo o mundo. Cassidy disse que escolheu a cor roxa para representar a epilepsia por causa da cor da flor da lavanda. O motivo é que esta flor é frequentemente associada com a solidão, representando os sentimentos de isolamento que os pacientes com epilepsia sentem. É nossa tarefa, ciclistas de todo o Brasil, não só divulgarmos o quanto a bicicleta faz bem para a saúde dos epilépticos, mas também perder o preconceito e convidá-los para se juntarem a família dos ciclistas do Brasil. Seria interessante, por exemplo, uma pedalada no dia 26 de março, para contribuirmos com o fim da solidão dos quase 250 mil epilépticos do Brasil

Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo